Noumenia Hymn to All the Gods

Miguel Oliveira

This is my humble try of an hymn to all the Gods, though many are certainly left out. I wrote this for the last Noumenia and plan on reading it every Noumenia. I wrote this originally in Portuguese and I am not very good at translating prose, so the language may sound a little awkward. (I do this ritual as a dromena of Neokoroi)

A new month begins and we, the neokoroi, again join to worship the immortal Gods and request their aid in re-establishing their cult. Hear, athanatoi, while I praise you and sing of you in this new month, after cleaning your shrines and lighting the perfumed incense in your honour.

First Hestia, Goddess of the hearth so calm and gentle, the One who comforts us, always the first, always the last, as the law commands, may your fires burn once again in lovely temples inside each of us and outside as well.

Then Apollon, the God to whom I sing and whom I praise with greatest enthusiasm, the Lord, guide of light in the darkness, with his bow of fair heart-calming music he soothes the thunder and with his lyre of lethal arrows the God tremble before him, may your oracles guide us once more and help us, may our actions fit the words you inspire in an ever-flowing stream.

And then Selene the Moon, who now slowly unveils her face and greets us, mere mortals, again with her silvery beauty, the Goddess for whom the shepherds’ heart long as they gaze the starry sky, the one who stands among the stars, may you look down and see us, your worshipers, once more singing and celebrating the Immortal Ones.

And to the Agathos Daimon as well, the gorgeous heavenly spirit, may you possess us always, may our actions be righteous reflexes of your guidelines and mirrored images of your unspeakable brothers, great serpent and youth of the vine.

And now, Muses of fair braids and crowned with violets, maidens of infinite art, lend me a piece of your grace to honour all the Gods, and may my words please the voice no man can resist as well.

So I sing of the Olympians, father Zeus who rules all: Zeus that was, Zeus that is, Zeus who will be, Zeus who is all, Zeus who is nothing, the voice of thunder and wind; and Hera of the divine throne, whose beauty entrances even the most powerful of Gods, perfect, Teleia, heavenly bride who guides us with the strength of your spirit; and to Poseidon too, who rules the seas and also the fertility of the land, shaker of the earth with his feared trident, ancient and venerable God; and Demeter, sister of Zeus, of golden hair like the cereals, the one who feeds us with care, eternal mother for us, even after such great sufferings her heart bearded. May the brothers and sister I already sang of and also the other, the terrible, the unseen, the venerable Hades, Lord who rules over our souls for ever, help us and be please with the offerings we offer with our heart, may their temples again be filled with perfume and the sweet taste of everflowing libations.

And also Aphrodite is a righteous Olympian, Goddess who amazes mortals and immortals alike, with an irresistible smile, whose web of Eros, her winged son, no one can oppose, feared and love with an equal measure is this pair. To she who walks with the Kharites, powerful Goddesses who decide what a man shall have and shall not, beauty, wisdom, character; and to all her power we sing.

And Hephaistos, noble artisan, a God who does not refuse work or arts, lord of the anvil who teaches to persist and to labour, great immortal who is in Olympus by merit and not just by birth, as is common and right to such superior beings, great artisan of lovely arts, may our rude craft please you.

And Ares too, who bears so much, tough God and teacher for Man, may we understand the valour of strife and bravery, give us strength to stand steady and face all obstacles. Keep Eris by your side, ride Phobos and Deimos away from us, so that you may enjoy with them our songs.

And Artemis, Goddess so charming as she dances and laughs through the mountains, and the beautiful Nymphs who dance with her, all spirits of Nature and the Great mother Gaia, all of them we worship and with all of the the Great Artemis rejoice, a terrible Goddess of love and agony, nurturing Goddess of children and brides, may your vitality inspire us and may we be free to worship you! And to Leto as well, you mother and of the divine Phoebus, we worship in our heats.

Athena too, of the sparkling eyes shining in the night, who whispers wise advices at her heroes hears, Goddess who weaves strategies like no one and with tools relieves our labours, may you guide us, the neokoroi, with words of wisdom and divine counsel.

And the blissful Dionysus who worship, God of enthousiasmos who allows us to understand a tinny spot of the immortal aspect, who dances with his satyrs and maenads, great is our wonder and our heart burns with praise when the divine pompé walks by, crown with the God of ivy, may rivers of wine flow in your honour once more and our minds become obscure and our spirits filled with divine ecstasy. And may our heart sing of your mother Semele and your lovely Ariadne.

And to Hermes, winged God swift as no other, great Angelos and guide, may your messages reach us loud and clear and may you guide us in the way of the neokoros, you who guide even the dead, who transpose all we thought unbreakable, who shake the world and give all that is dynamic, and to your great mother Maia.

And also to those who inhabit the dark ends of the world, their king the horrifying Hades, their queen the awful Persephone for whom our hearts rejoice in spring and mourn in winter, Goddess of great forgiving heart, and also to the Styx, great oath of the Gods, Kharon, to whom we own a dark trip, and to all the beings I dare not name. To all of you I praise and also to Hekate, endowed with power over all that exists in our material world, who commands the skies, the earth and the seas with magic of her unseen hand, triple Goddess of road crosses and night.

And those deities that rejoice in the Earth, the Nymphs and the Satyrs, also Eos who shreds the mists, pink Goddess who loves her brother Helios, of the golden chariot, whom brings Hemera and carries Hiperion, great Gods whom we love. And to all the rivers and seas, all the mountains and trees, the caves that hide beneath the earth, the springs and wells, the lakes, clouds, stars, the rain and the land, prairies, swamps, oceans, the frozen fields of the peaks, the hills and cliffs, beaches and deserts and all that is and was I praise. And to Pan with his flute, who rejoices in fields with herds running in panic, and the Anemoi who always run.

And to Themis, divine order whom all weights and pounders; and her daugheters, the Horai, Goddess of the just and righteous measurem, Eunomia, who does all in the right order, Eirine, of whom we sing hymns and to whom we praise, and Dike, whom so many offend; but Zeus lets no man offend the daughters of Themis for long, harshly punishing any who does. And to Metis, eternal wisdom, Thetys, a name of water, leader of the Nereids and also Tethys, source of water. And surely to the great Ocean who embraces all.

And to the Moiroi who impose the limits and weave endlessly, to Nemesis who is terrible to the enemies of the divine order, as well as to the Eumenids, whom the wrong-doer fears greatly. To Nix, the awful night without end, to Khronos, who eats all and has no mercy, to Tartarus, dark place of the great offenders. To Ananke of whom none escapes we also praise, and to Khaos, who was first.

And also to Rhea, great Mother, Ouranos, father Sky, and to Kybele, to the Titans favoured by the immortal one and to those that, yet inferior to the Gods, are terribly superior to the strongest of Man. To the Kabeiroi, the Koribants, Kouretes, Dione, Bendis, Zagreus, to all the beings that are companions of the Gods, to Hebe, who serves the divine nectar, to Iris, who carries their messages, blissful bridge from heaven to hearth, Eileithya for whom the women yell, to Priapos, who suffers a curse and still blesses us, to Prometheus, who endured a great pain and nurtures us, to Nike, the sweet victory, may all Gods and Goddesses be pleased and bless us.

And also to Tyche, whose power is great, the Goddess who decides what each man and woman will have and not have, the Goddess who gives and takes away, great is the power Zeus gifted you and great are our praises.

And to the Gods who already experience our mortal suffering, my dear Asklepios, great father of Medicine who relieves the terrible pain, may you teach us and bring with you your lovely daughter Hygia; to Herakles, great inspiration to us all, you who bearded so much and gained the hug and breast of Hera, whom taught you in the harshest way; to the protecting Dioscuroi, their sister, the fair Helen, Ganymedes who was taken, Adonis who was loved, and also to all heroes of all the world, to the dead ones – to all of them, ancestral creators of what we are today.

May I delight all the divine beings, and also those I didn’t mentioned, hoping not to offend any of you and hoping to have pleased you.

And again I praise you, maidens of violet braids, with lyres and arts, and to your mother Mnemosine, I praise and thank you for inspiring me in this hymn to the Gods!

And, as is fit, again of Hestia, the first and the last, I sing.

 

Advertisements

2 Responses to Noumenia Hymn to All the Gods

  1. I would love to read the Portuguese version, Miguel! Would it be possible for you to share it, too?

    • Jessye Jess says:

      Um novo mês começa e nós, os neokoroi, novamente nos juntamos para adorar os Deuses imortais e pedir sua ajuda para restabelecer seu culto. Ouça, athanatoi, enquanto eu te louvo e canto de você neste novo mês, depois de limpar seus santuários e acender o incenso perfumado em sua honra.

      Primeira Héstia, Deusa da lareira tão calma e gentil, Aquele que nos consola, sempre o primeiro, sempre o último, como a lei ordena, que seus fogos voltem a arder em belos templos dentro de cada um de nós e também de fora.

      Então Apolo, o Deus a quem eu canto e a quem louvo com grande entusiasmo, o Senhor, guia de luz nas trevas, com seu arco de bela música calmante, ele acalma os trovões e com sua lira de flechas letais o Deus tremer antes dele, que os seus oráculos nos guiem mais uma vez e nos ajudem, que nossas ações se encaixem nas palavras que você inspira em um fluxo contínuo.

      E então Selene, a Lua, que agora lentamente desvela seu rosto e nos saúda, meros mortais, novamente com sua beleza prateada, a Deusa por quem o coração dos pastores anseia enquanto contemplam o céu estrelado, aquele que está entre as estrelas, pode você olha para baixo e nos vê, seus adoradores, mais uma vez cantando e celebrando os Imortais.

      E para o Daimon Agathos também, o lindo espírito celestial, que você nos possua sempre, que nossas ações sejam reflexos corretos de suas diretrizes e imagens espelhadas de seus irmãos inexprimíveis, grande serpente e juventude da videira.

      E agora, Musas de tranças justas e coroadas de violetas, donzelas de arte infinita, emprestam-me um pedaço de sua graça para honrar todos os Deuses, e minhas palavras agradam a voz que nenhum homem pode resistir também.

      Então eu canto dos olimpianos, pai Zeus que governa tudo: Zeus que foi, Zeus ou seja, Zeus quem será, Zeus que é tudo, Zeus que não é nada, a voz do trovão e do vento; e Hera do trono divino, cuja beleza incorpora até mesmo o mais poderoso dos deuses, perfeito, Teleia, noiva celestial que nos guia com a força de seu espírito; e a Poseidon também, que governa os mares e também a fertilidade da terra, agitador da terra com seu temido tridente, antigo e venerável Deus; e Deméter, irmã de Zeus, de cabelo dourado como os cereais, aquele que nos alimenta com cuidado, mãe eterna para nós, mesmo depois de tão grandes sofrimentos seu coração se barbara. Que os irmãos e irmãs que eu já cantava e também o outro, o terrível, o invisível, o venerável Hades, o Senhor que governa nossas almas para sempre,

      E também Afrodite é uma olimpiada, Deusa que espanta mortais e imortais igualmente, com um sorriso irresistível, cuja teia de Eros, seu filho alado, ninguém pode se opor, temido e amar com igual medida este par. Àquela que anda com os kharitas, poderosas deusas que decidem o que um homem deve e não deve, beleza, sabedoria, caráter; e para todo o seu poder nós cantamos.

      E Hefestos, nobre artesão, um Deus que não recusa o trabalho ou as artes, senhor da bigorna que ensina a persistir e a trabalhar, grande imortal que está no Olimpo por mérito e não só por nascimento, como é comum e justo para tal superior seres, grande artesão de artes encantadoras, que nosso ofício rude te agrade.

      E Ares também, que tem tanto Deus duro e professor para o homem, que possamos compreender o valor da luta e bravura, nos dar força para ficar firme e enfrentar todos os obstáculos. Mantenha Eris ao seu lado, monte Phobos e Deimos longe de nós, para que você possa curtir com eles nossas músicas.

      E Ártemis, Deusa tão encantadora como ela dança e ri através das montanhas, e as belas Ninfas que dançam com ela, todos os espíritos da Natureza e a Grande mãe Gaia, todos eles adoram e com todos os grandes Artemis se regozijam, um terrível Deusa do amor e da agonia, nutrindo a Deusa das crianças e das noivas, que a sua vitalidade nos inspire e que possamos ser livres para te adorar! E para Leto também, você mãe e do divino Phoebus, nós adoramos em nossos calores.

      Atena também, dos olhos cintilantes brilhando na noite, que sussurra conselhos sábios em seus heróis ouve, Deusa que tece estratégias como ninguém e com ferramentas alivia nossos trabalhos, que você possa nos guiar, os neokoroi, com palavras de sabedoria e conselho divino .

      E o feliz Dionísio que adora, Deus de enthousiasmos que nos permite entender um ponto metálico do aspecto imortal, que dança com seus sátiros e suas bacantes, grande é nossa maravilha e nosso coração queima com louvor quando a divina pompa passa, coroa com o deus da hera, que rios de vinho possam fluir em sua honra mais uma vez e nossas mentes se tornem obscuras e nossos espíritos cheios de êxtase divino. E que nosso coração possa cantar sua mãe Semele e sua adorável Ariadne.

      E para Hermes, alado a Deus como nenhum outro, grande Ângelo e guia, que suas mensagens nos alcancem altas e claras e que você nos guie no caminho dos neokoros, vocês que guiam até os mortos, que transpõem tudo o que pensávamos inquebrantável, que agitam o mundo e dão tudo que é dinâmico, e a sua grande mãe Maia.

      E também para aqueles que habitam as extremidades negras do mundo, seu rei o Hades horripilante, sua rainha a horrível Perséfone por quem nossos corações se alegram na primavera e lamentam no inverno, Deusa de grande coração perdoador, e também para os Styx, grande juramento dos deuses, Kharon, a quem nós possuímos uma viagem escura, e a todos os seres que eu não ouso nomear. A todos vocês louvo e também a Hekate, dotado de poder sobre tudo o que existe em nosso mundo material, que comanda os céus, a terra e os mares com a magia de sua mão invisível, deusa tripla das cruzes das estradas e da noite.

      E aquelas divindades que se alegram na Terra, as Ninfas e os Sátiros, também Eos que despedaçam a névoa, deusa cor-de-rosa que ama seu irmão Hélios, da carruagem de ouro, que traz Hemera e carrega Hiperion, grandes deuses a quem amamos. E para todos os rios e mares, todas as montanhas e árvores, as cavernas que se escondem debaixo da terra, as fontes e poços, os lagos, nuvens, estrelas, a chuva e a terra, pradarias, pântanos, oceanos, os campos congelados de os picos, as colinas e falésias, praias e desertos e tudo o que é e fui louvado. E para Pan com sua flauta, que se alegra em campos com manadas correndo em pânico, e os Anemoi que sempre correm.

      E a Themis, ordem divina a quem todos os pesos e libras; e seus daugheters, o Horai, Deusa da justa e justa medida, Eunomia, que faz tudo na ordem certa, Eirine, de quem cantamos hinos e a quem louvamos, e Dike, a quem tantos ofendem; mas Zeus não permite que nenhum homem ofenda as filhas de Themis por muito tempo, punindo duramente quem o faz. E para Metis, sabedoria eterna, Thetys, um nome de água, líder das Nereidas e também Tethys, fonte de água. E seguramente ao grande Oceano que abraça tudo.

      E aos Moiroi que impõem os limites e tecem incessantemente, a Nêmesis, que é terrível para os inimigos da ordem divina, bem como aos Eumenides, que o autor do erro teme muito. Para Nix, a terrível noite sem fim, para Khronos, que come tudo e não tem piedade, para o Tártaro, lugar escuro dos grandes ofensores. Para Ananke, de quem ninguém escapa, também louvamos, e para Khaos, que foi o primeiro.

      E também para Rhea, grande Mãe, Ouranos, pai Sky e para Kybele, para os Titãs favorecidos pelo Imortal e para aqueles que, embora inferiores aos Deuses, são terrivelmente superiores aos mais fortes do Homem. Para os Kabeiroi, os Koribants, Kouretes, Dione, Bendis, Zagreus, para todos os seres que são companheiros dos Deuses, para Hebe, que serve o néctar divino, para Iris, que carrega suas mensagens, ponte feliz do céu para a lareira, Eileithya para quem as mulheres gritam, para Priapos, que sofre uma maldição e ainda nos abençoa, para Prometeu, que suportou uma grande dor e nos nutre, para Nike, a doce vitória, que todos os Deuses e Deusas nos agradem e abençoem.

      E também para Tyche, cujo poder é grande, a Deusa que decide o que cada homem e mulher terá e não terá, a Deusa que dá e tira, grande é o poder que Zeus lhe deu e grandes são nossos louvores.

      E aos Deuses que já experimentam nosso sofrimento mortal, meu querido Asklepios, grande pai da Medicina que alivia a terrível dor, que você nos ensine e traga consigo sua adorável filha Hygia; a Herakles, grande inspiração para todos nós, você que tanto fez e ganhou o abraço e o peito de Hera, quem lhe ensinou da maneira mais severa; para a proteção Dioscuroi, sua irmã, a bela Helen, Ganymedes que foi levado, Adonis que foi amado, e também para todos os heróis de todo o mundo, para os mortos – para todos eles, criadores ancestrais do que somos hoje.

      Que eu possa deliciar todos os seres divinos, e também aqueles que não mencionei, esperando não ofender nenhum de vocês e esperando satisfazê-lo.

      E mais uma vez eu te louvo, donzelas de tranças violetas, com liras e artes, e para tua mãe Mnemosine, eu louvo e agradeço por me inspirar neste hino aos deuses!

      E, como está bem, novamente de Héstia, a primeira e a última, eu canto.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s